O que é Slow Living?

É possível que em algum momento você já tenha escutado a palavra slow em alguma conversa sobre estilo de vida mais sustentável. Do inglês, slow significa ‘lento’, onde sua proposta dentro dos movimentos é o de desacelerar. Mas podemos dizer que ele vai um pouco mais além de ‘diminuir a velocidade’. Se pudéssemos definir o slow living em uma palavra além do seu significado literal, essa palavra é conexão.



O conceito de viver slow começou na Itália, quando um jornalista chamado Carlo Petrini, juntamente com um grupo de ativistas, iniciou um movimento chamado ‘slow food’. A motivação foi a possível abertura de uma franquia da McDonalds em um importante ponto turístico de Roma, o Spanish Steps. O movimento visava defender tradições regionais, a boa comida, o prazer gastronômico e um ritmo de vida lento. No slow food, o movimento reconhece as fortes conexões entre pessoas, culturas, política e lugares.


Após se espalhar pelo mundo, o movimento slow ganhou novas variações, sempre abordando os mesmos valores de desaceleração, de enaltecer as conexões e respeitar o tempo das coisas. Um exemplo é o slow fashion, que surge como um modelo que contrapõe a lógica de produção acelerada do fast fashion. Dentro dele, temos uma cadeia produtiva consciente do impacto das roupas, no ecossistema e na vida das pessoas. Podemos citar também o slow reading, slow beauty, slow medicine e slow blogging.


mulher negra sorrindo
O slow living nos ajuda a entender quais são as nossas urgências e a viver uma vida mais inspiradora. | Foto: Suad Kamardeen

Ao contrário do que muita gente pensa, o slow living não existe pra que a gente viva em câmera lenta – o que é praticamente impossível dentro de uma sociedade acelerada e hiperconectada – mas sim, entender que nós temos maneiras diferentes de vivenciar o tempo das coisas. A ideia é que a gente possa se conectar verdadeiramente com cada tarefa do nosso cotidiano e entender as nossas urgências.


O movimento de desacelerar nos ajuda a perceber quais são as nossas necessidades e quais demandas valem a nossa atenção. Em tempos onde a cultura do fast impera e tudo é pra ontem, se propor a entender que a mensagem X no Whatsapp pode ser respondida em outra hora ou quais atividades do nosso dia a dia valem a nossa atenção é caminhar a cada dia pra uma vida menos caótica e mais inspiradora.

2 visualizações0 comentário